O que é criatividade?

Segundo Albertina Mitjáns Martínez a criatividade é processo complexo da subjetividade humana na sua simultânea condição de subjetividade individual e social, a qual se expressa na produção de “algo” que é considerado como “novo” e “valioso” em um determinado campo da ação humana. A referida autora se baseia na Teoria da Subjetividade de Fernando Luis González Rey.


O que é aprendizagem criativa da leitura e da escrita?

De acordo com Luciana Muniz e Albertina Mitjáns Martínez a aprendizagem criativa da leitura e da escrita é um tipo de aprendizagem complexa como processo da subjetividade humana em que se destaca a qualidade com que a criança atua com este aprender em sua vida, rompendo com o caráter utilitário e prático da leitura e da escrita. É uma aprendizagem que promove o desenvolvimento da subjetividade da criança.


Como a criatividade pode se expressar na aprendizagem da leitura e da escrita?

Segundo Luciana Muniz e Albertina Mitjáns Martínez a criatividade pode se expressar na aprendizagem da leitura e da escrita pela confluência das características de personalização da informação, confrontação com o dado, geração de ideias próprias e novas que transcendem o que está posto e pela relação lúdica com o aprender.


Como se expressa o novo e o valor da criatividade na aprendizagem da leitura e da escrita?

Segundo Luciana Muniz e Albertina Mitjáns Martínez o novo pode estar na transcendência ao dado enquanto escrita e leitura, como processos de decodificação e utilização de cunho reprodutivo. O valor desta aprendizagem pode estar no processo de desenvolvimento da subjetividade da criança.


Quais podem ser produtos da criatividade na aprendizagem da leitura e da escrita?

De acordo com Luciana Muniz e Albertina Mitjáns Martínez os produtos da criatividade na aprendizagem da leitura e da escrita podem ser os mais variados possíveis e dependem estritamente do processo que cada pessoa vive em sua aprendizagem. Em nossas pesquisas encontramos a produção de diários pessoais, escritas de histórias imaginadas e que partiam da organização pessoal de experiências vivias pela criança, da produção de livros de histórias, de livros de receitas e até mesmo de livros de moda, além de desenhos, pinturas, pesquisas sobre temas de interesse e outras possibilidades que envolve a leitura e a escrita. Em todas estas produções, há uma entrega espontânea e envolvida das crianças em criações que extrapolam o campo da obrigatoriedade, muitas vezes experienciado por elas na escola.


Quais princípios são fundamentais para a Didática Desenvolvimental da Criatividade?

Sistema Didático Integral de Mitjáns Martínez – Princípios.

a) forma de trabalhar com os estudantes a formulação e seleção dos objetivos de aprendizagem: favorecer a participação do aprendiz na elaboração e acompanhamento dos seus próprios objetivos de aprendizagem.
b) seleção e organização dos conteúdos de ensino e das habilidades e competências a serem desenvolvidas: prezar pela qualidade dos conteúdos trabalhados em sua profundidade e não pela quantidade, favorecendo a imaginação, a curiosidade, o caráter investigativo e a geração de ideias próprias;
c) estratégias e métodos de ensino: Propor atividades que desafiem o aprendiz e que sejam oriundas dos interesses cotidianos do mesmo, que instiguem sua produção como protagonista. Ensino baseado na formulação de problemas e não na busca de verdades absolutas.
d) natureza das tarefas a serem realizadas em classe ou extraclasse e as orientações para sua realização: Atividades que envolvam a produção de ideias próprias do aluno;
e) natureza da bibliografia e do material didático e as orientações para sua leitura: Propor leituras desafiadoras, que instiguem o aluno a pensar e a interagir com a leitura, capaz de ir além das ideias do autor.
f) sistema de avaliação e autoavaliação da aprendizagem: ênfase na produção, elaboração reflexiva e individualizada do conhecimento. Estimular a autoavaliação da aprendizagem;
g) relações professor-aluno e o clima comunicativo-emocional que caracteriza a sala de aula: incentivar a reflexão, a curiosidade, a imaginação. Estabelecer relação de troca, de confiança mútua e de exigência. Valorizar o aluno em seu esforço e propor desafios constantes.


Como podemos favorecer a emergência da criatividade na aprendizagem da leitura e da escrita?

As autoras Luciana Muniz e Albertina Mitjáns Martínez delinearam algumas possibilidades para o trabalho pedagógico em prol de favorecer a emergência da criatividade na aprendizagem da leitura e da escrita:

a) conhecer o aprendiz em seus gostos, preferências, interesses e história de vida;
b) vincular o ensino e a aprendizagem com as experiências da vida da criança;
c) favorecer um espaço dialógico e instigador de novas inquietações dos aprendizes;
d) valorizar as ideias dos aprendizes e de suas conquistas;
e) estabelecer uma relação com alto grau de exigência quanto às possibilidades dos aprendizes na escrita e na leitura;
f) respeitar à linguagem oral e escrita dos alunos, como ponte para reflexões;
g) favorecer um clima investigativo na relação dos aprendizes com suas próprias produções;
h) estimular a dúvida, questionamentos e participação efetiva dos aprendizes;
i) proporcionar experiência de leitura e contação de histórias com ênfase na fantasia e na imaginação;
j) utilizar a biblioteca como espaço para leitura e pesquisa;
k) diversificar os tipos de atividade e sua realização: individual, dupla e de forma coletiva;
l) favorecer momentos de escrita espontânea em sala de aula articulada ao diálogo com o outro e consigo mesmo;
m) propor situações desafiadoras, geradoras de tensões, provocações que possam surpreender e instigar a reflexão e a busca por novas descobertas;
n) personalizar o contexto de aprendizagem e as atividades propostas, para que sejam desafiadoras e coloque o aprendiz como autor e empreendedor de suas elaborações;
o) utilizar os livros como recursos de possibilidades de pensamento, de formação de opinião própria, como possibilidade de transcender, em alguma medida, o que foi lido;
p) propiciar relação de parceria entre a escola a família.


Bibliografia

GONZÁLEZ REY, Fernando; MITJÁNS MARTÍNEZ, Albertina. Subjetividade: Teoria, Epistemologia e Método. Campinas: Alínea, 2017.

GONZÁLEZ REY, Fernando; MITJÁNS MARTÍNEZ, Albertina. El desarrollo de la subjetividad: una alternativa frente a las teorías del desarrollo psíquico. Papeles de Trabajo sobre Cultura, Educación y Desarrollo Humano, 13(2), 3-20. 2017.

GONZALEZ REY, Fernando; MARTÍNEZ, Albertina Mitjáns. Psicologia en la Educación: Implicaciones de la subjetividad en una perspectiva cultural-histórica. Revista Puertorriqueña de Psicologia, v. 27, p. 260-274, 2016.

MITJÁNS MARTÍNEZ, Albertina; GONZÁLEZ REY, Fernando. Psicologia, educação e aprendizagem escolar: avançando na contribuição da leitura cultural-histórica. São Paulo: Cortez, 2017.

MUNIZ, Luciana Soares. Aprendizagem criativa da leitura e da escrita e suas inter-relações com o desenvolvimento da subjetividade da criança. Brasília, DF, 2015. 314 f. Tese (Doutorado em Educação). Universidade de Brasília, Brasília, DF, 2015.

MUNIZ, Luciana Soares; MITJÁNS MARTÍNEZ, Albertina. A EXPRESSÃO DA CRIATIVIDADE NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA: UM ESTUDO DE CASO. Educação e Pesquisa (USP. Impresso), v. 10, p. 1-16, 2015.

MUNIZ, Luciana Soares; MITJÁNS MARTÍNEZ, Albertina. Aprendizagem da leitura e da escrita: análise da produção científica. Atos de Pesquisa em Educação, v. 8, n. 2, p. 951-981, 2013.

MUNIZ, Luciana Soares; MITJÁNS MARTÍNEZ, Albertina. APRENDIZAGEM DA LEITURA E SUAS INTERRELAÇÕES COM O DESENVOLVIMENTO DA SUBJETIVIDADE. Leitura. Teoria & Prática, v. 1, p. 3-103, 2012.